A ERGOLOGIA NOS ESTUDOS ORGANIZACIONAIS ENVOLVENDO O TRABALHO

Mônica de Fatima Bianco
Profª Pesquisadora do PPGAdm – Ufes (Mestrado e Doutorado) Coordenadora do GETERGE – Ufes/Vitória/Brasil
Email: mofbianco@gmail.com

Introdução

Nesta proposição para Le Colloque revisitamos uma publicação de 20141, trazendo as contribuições da Ergologia para a área de Estudos Organizacionais (E.O.) envolvendo o trabalho. As descrições estão atualizadas, incorporando outros trabalhos de pesquisa realizados pelo grupo de pesquisa em Vitória – ES/Brasil.

O artigo original publicado se propôs a apontar e demarcar como profícuo o uso da Ergologia por pesquisadores da área de estudos organizacionais sobre trabalho. Um artigo teórico que se utilizava de revisão bibliográfica para atingir tal objetivo, no qual as principais referências, tanto francesas (DURAFFOURG; DUC; DURRIVE, 2010; DURRIVE, 2011; DURRIVE; SCHWARTZ, 2008; SCHWARTZ, 1998; 2000a; 2000b; 2001; 2002; 2004; 2010a; 2010b; 2010c; 2010d; 2010e; 2011; SCHWARTZ; DUC; DURRIVE, 2010a; 2010b; 2010c; 2010d;2010e), como brasileiras (ATHAYDE; BRITO, 2011; BRITO, 2004; HENNINGTON; CUNHA; FISCHER, 2011; LIMA; BIANCO, 2009; TELLES; ALVAREZ, 2004; VIEIRA-JÚNIOR; SANTOS, 2012), estavam articuladas (HOLZ; BIANCO, 2014).

Para este Colloque se quer demarcar o quanto a Ergologia tem contribuído para os estudos do grupo em Ergologia, Trabalho e Gestão (GETERGE), cujos participantes têm desenvolvido pesquisas com base nessa analítica desde o contato pessoal da coordenadora com Yves  Schwartz num Seminário no Brasil, no início dos anos 2000. No entanto, antes de realizar a descrição das pesquisas realizadas buscando aproximar a Ergologia da área dos E.O. (em Administração), quer-se convidar à leitura de trechos do artigo original que remetem a discussão da estrutura epistemológica da Ergologia2.

A Ergologia e os Estudos Organizacionais

1- HOLZ, E. B.; BIANCO, M. F. Ergologia: uma abordagem possível para os estudos organizacionais sobre trabalho (Ergology: a possible approach to organizational studies of work). Cad. EBAPE.BR, v. 12, Edição Especial, artigo 6, Rio de Janeiro, Ago. 2014.

2- São destacados alguns pilares sobre os quais se desenvolve essa forma de produção de conhecimento: o trabalho como ambiente de vida, de aprendizagem e de confronto entre saberes; seus pressupostos e proposições generalizáveis; seu exercício, um dispositivo dinâmico de três polos.

Apesar da incipiência do impacto da Ergologia sobre os E.O. envolvendo o trabalho, algumas pesquisas são aqui apontadas.

Considerações com base em pesquisas realizadas

Utilizando os conceitos de uso de si por si e pelos outros para analisar situações de trabalho no Centro de Operações de uma empresa de distribuição de energia elétrica do Sudeste do Brasil, Souza e Bianco (2007) problematizam que os estudos organizacionais analisam as relações de trabalho geralmente dividindo-as em dois grandes grupos: um formado pelos funcionários que ocupam posição gerencial e outro composto pelos demais membros da organização. Os autores apontam a necessidade de se considerar o rompimento com a ideia de que em uma organização há claramente “gestores e geridos”. Isso porque o uso de si por si e por outros ocorre em todos os níveis hierárquicos, fazendo com que os membros de uma organização estejam a todo tempo gerindo o seu trabalho e as suas relações sociais.

No mesmo contexto organizacional, Machado et al. (2007) pontuam que gerir a própria atividade, “transgredindo” regras ou normas, pode ser fator vital, em especial em trabalhos que envolvam risco de morte. Isso porque a complexidade da gestão da atividade mostra que a saúde relacionada ao trabalho não é apenas uma questão individual, mas coletiva, e envolve aspectos como exigência de rapidez e de resultados, flexibilização das relações de trabalho e condições inadequadas para realização das atividades.

Lima e Bianco (2009) revelam nuances do mundo do trabalho num estudo em uma empresa atuante no Brasil na área de fabricação de tubos flexíveis para exploração de petróleo, focando os usos de si na gestão das atividades. Ressaltam que a compreensão da singularidade e complexidade da atividade de trabalho permite entender o trabalhador como ser humano: com instintos, emoções, necessidades, escolhas e decisões – estas últimas, muitas vezes, são tomadas com base em experiências passadas, com ação no presente e efeito no futuro. Isso porque, ao realizar seu trabalho, o trabalhador o transforma, renormalizando-o por meio de suas superações e como forma de enfrentamento das suas imposições. Os autores relatam ainda a possibilidade de certa intervenção na empresa, mudando o foco do “como” para “o que” fazer.

Com o objetivo de colocar em evidência a dinâmica do trabalho efetuado por técnicos em eletrônica em uma empresa prestadora de serviços localizada no Sudeste do Brasil, Mezadre e Bianco (2012) corroboram que o trabalhador, ao fazer uso de si ao enfrentar as demandas do trabalho, permite que suas capacidades sejam requeridas e aprimoradas constantemente, transitando da situação atual e real do trabalho a possibilidades futuras.

Bianco, Almeida e Binda (2012) utilizando-se do aporte ergológico para fazer uma análise do trabalho de agentes comunitários de saúde atuantes em duas unidades de saúde prestadoras de serviço à população residente em dois bairros de uma capital brasileira. Para os autores, a Ergologia traz a noção de trabalho como espaço de transformação, convertendo “o trabalho em algo vivível”. A transformação do trabalho na organização é uma possibilidade que emerge da relação entre trabalho e trabalhador. “Nas lacunas emergem os valores, as dramáticas e diferentes formas de dedicação a uma causa” (BIANCO; ALMEIDA; BINDA, 2012, p. 365).

Evidenciando como os trabalhadores atuam no processo de transformação das práticas necessárias à realização das atividades de trabalho no beneficiamento de mármore e granito, partindo da realidade de uma empresa, Mezadre e Bianco (2014) identificam como a experiência dos trabalhadores atua na renormalização dos processos de trabalho, promovendo melhorias. A contribuição para os E.O. e gestão de pessoas está na lacuna de estudos com trabalhadores do setor que evidenciem as competências exercidas no trabalho real.

O artigo base dessa proposição, também é por si só uma contribuição para a área de E.O.. A revisão de literatura trata de aspectos importantes da Ergologia, como: sua gênese e suas concepções sobre o trabalhador e o trabalho; suas principais ferramentas conceituais: normas antecedentes, valores, renormalização, entidades coletivas relativamente pertinentes, saberes investidos; sua estrutura epistemológica; uma breve comparação com as perspectivas clínicas do trabalho; a delimitação de sua proficuidade para os E.O., abrangendo considerações de pesquisas já realizadas, bem como de uma agenda futura (HOLZ; BIANCO, 2014).

Bianco e Holz (2015) publicam novo estudo, para entender o “agir em competência” (SCHWARTZ, 2010e, p. 207), noção pouco discutida, descrita e exemplificada empiricamente. A pesquisa foi realizada por meio de uma cartografia numa empresa industrial de beneficiamento de granitos, de grande porte, do Sudeste do Brasil. Para os autores, transformar o trabalho significou fazer parte de um processo coletivo e gradual de reescrita do trabalho com base em uma nova discursividade, a ergológica, que inicialmente se assume como um saber situado, produzido numa conduta ética e reflexiva.

Porto e Bianco (2015) se focam no uso de um conceito – os usos do corpo si, numa pesquisa sobre a produção científica atual no tema com buscas em artigos publicados entre 2010 e 2014, em periódicos de Administração e da área interdisciplinar. Concluem após encontrar apenas  dois artigos que abordam a temática de “usos do corpo si”, porém sem menção explícita do termo, que a produção científica sobre a temática é incipiente nos periódicos, e respectivas áreas.

Essas autoras, em 2016, com o intuito de evidenciar o debate de normas e de valores que em permanência renovam a atividade humana, apresentam uma pesquisa numa empresa de transformação de granito no Sudeste do Brasil. O objetivo consistiu em compreender os usos do corpo-si, na tentativa de preservação da saúde e da segurança, no contexto dos processos de umidificação, associados ao tratamento do granito (PORTO; BIANCO, 2016). Com os resultados, tornou-se visível um uso inapropriado dos EPI’s à disposição, e a ausência de consciência das potencialidades decorrentes dos equipamentos de proteção coletiva (EPC).

Conforme Holz e Bianco (2014) concluem em suas pesquisas, os conceitos como corpo-si, usos de si, normas antecedentes, renormalização, entidades coletivas relativamente pertinentes e saberes investidos figuram como indicativo para se repensar a organização do trabalho da ótica da gerência, tradicionalmente prescritiva da tarefa, e reforçar a necessidade de um deslocamento de foco para o trabalho real, ou para o trabalho como atividade humana, repleta de singularidades. De modo geral, as pesquisas contribuem para a desnaturalização de discursos gerenciais que, apesar de contemporâneos, em muito ainda preservam a lógica taylorista- fayolista de planejamento, organização, direção e controle, que essencialmente visa anular as singularidades do trabalho real em detrimento da prescrição e da generalização. As pesquisas convergem para um movimento de restituição da atividade de trabalho ao trabalhador, vínculo bruscamente rompido com a instauração e disseminação do modelo taylorista de produção.

Com essas discussões, pode-se argumentar que as possibilidades de pesquisa são diversas, dado o enfoque ergológico sobre as dimensões singulares que interferem no trabalho humano e, consequentemente, no mundo organizacional. Inspirados por Schwartz e seus colaboradores, o grupo de estudos GETERGE tem novas pesquisas em andamento, em diferentes ramos de atividade e trabalho: enfermagem/saúde, transformação de vidros e laboratórios/siderurgia.

Referências

ATHAYDE, M.; BRITO, J. Ergologia e clínica do trabalho. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A.

2011. (Org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. 258-281 p.

BIANCO, M. F.; ALMEIDA, H. A. C. D.; BINDA, J. Análise do trabalho numa perspectiva singular de gestão: um estudo em diferentes Unidades de Saúde da Família. In: FERNANDES, S. C.; GOMES, E. B.

2012. (Org.). Tecnologias de gestão e subjetividades: por uma abordagem multidisciplinar. v. III. Vitória: EDUFES, 2012.

BIANCO, M. F.; HOLZ, E. B. Trabalho e Competência Industriosa: uma cartografia ergológica no setor de rochas ornamentais no Brasil. Ergologia, Aix-en-Provence, n° 14, Décembre, 2015, pp. 47-72.

BRITO, J. Saúde do trabalhador: reflexões a partir da abordagem ergológica. In: FIGUEIREDO, M. et al. (Org.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. 91-114 p.

DURAFFOURG, J.; DUC, M.; DURRIVE, L. O trabalho e o ponto de vista da atividade. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010. 47-87 p.

DURRIVE, L. A atividade humana, simultaneamente intelectual e vital: esclarecimentos complementares de Pierre Pastré e Yves Schwartz. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, supl. 1, p. 47-67, 2011.

             ; SCHWARTZ, Y. Revisões temáticas: glossário da Ergologia. Laboreal, v. 4, n. 1, p. 23-28, 2008.

HOLZ, E. B.; BIANCO, M. F. Ergologia: uma abordagem possível para os estudos organizacionais sobre trabalho. Cad. EBAPE.BR, v. 12, Edição Especial, artigo 6, Rio de Janeiro, Ago. 2014.

LIMA, E. L. N.; BIANCO, M. de F. Análise de situações de trabalho: gestão e os usos de si dos trabalhadores de uma empresa do ramo petrolífero. Cad. EBAPE. BR., Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 629- 648, dez. 2009.

MACHADO, L. et al. Apontamentos sobre o cotidiano de alguns trabalhadores. In: JUNQUILHO, G. S. et al. (Org.). Tecnologias de gestão e subjetividades: por uma abordagem multidisciplinar. Vitória: EDUFES, 2007, v. II. 173-197 p.

MEZADRE, S. B. B.; BIANCO, M. F. Análise ergológica da gestão das atividades dos técnicos em eletrônica. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 8., 2011, Resende.

Anais eletrônicos… Disponível em: <http://www.aedb.br/seget/artigos11/50514608.pdf>. Acesso em: 1 jul. 2012.

MEZADRE, S. B. B.; BIANCO, M. F. Polishing Knowledge: A Study of Marble and Granite Processing. BAR, Braz. Adm. Rev., Sept, vol.11, n. 3, p. 302-322, 2014.

PORTO, T. ; BIANCO, M. F. Produção Científica sobre os “Usos do Corpo-si”: uma contribuição analítica com foco na Ergologia. FAROL, Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 2, p. 1101-1136, 2015.

PORTO, T. ; BIANCO, M. F. Os Usos do Corpo-si no Trabalho de Transformação de Granitos: Evidências para a Saúde e Segurança. Laboreal, Porto, v. XII, n. 1, p. 39-52, 2016.

SCHWARTZ, Y. Os ingredientes da competência: um exercício necessário para uma questão insolúvel.

Educação & Sociedade, Campinas, v. 19, n. 65, p. 101-140, dez. 1998.

             . A comunidade científica ampliada e o regime de produção de saberes. Belo Horizonte: Trabalho e Educação, n. 7, p. 38-46, jul./dez 2000a.

             . Trabalho e uso de si. Pro-Posições, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 34-50, jul. 2000b.

             . Ergonomia, filosofia e exterritorialidade. In: DANIELLOU, F. (Coord.). A Ergonomia em busca dos seus princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Edgard Blüncher, 2001.141-180 p.

             . Disciplina Epistêmica, Disciplina Ergológica – paidéia e politeia. Pro-Posições, (Unicamp), v. 13, n. 1, p. 126-149, jan./abr. 2002.

             . Circulações, dramáticas, eficácias da atividade industriosa. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 33-35, 2004.

             . A dimensão coletiva do trabalho e as Entidades Coletivas Relativamente Pertinentes (ECRP). In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010a. 147-164 p.

             . A experiência é formadora? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 35-48, 2010b.

             . A trama e a urdidura. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010c. 103-109 p.

             . Reflexão em torno de um exemplo de trabalho operário. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010d. 37-46 p.

             . Uso de si e competência. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010e. 205-221 p.

             . Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, p. 19- 45, 2011.

SCHWARTZ, Y.; DUC, M.; DURRIVE, L. A linguagem em trabalho. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE,

  1. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010a. 131-148 p.

             . O homem, o mercado e a cidade. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010b. 247-273 p.

             . Técnicas e competências. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010c. 85-102 p.

             . Trabalho e Ergologia. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010d. 25-36 p.

             . Trabalho e uso de si. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010e. 189-204 p.

SOUZA, E. M.; BIANCO, M. F. A Ergologia – uma alternativa analítica para os Estudos do Trabalho. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO DE SOCIOLOGÍA DEL TRABAJO, 5., 2007, Montevideo.

Anais… Montevideo: ALAST, 2007.

TELLES, A. L.; ALVAREZ, D. Interfaces ergonomia-ergologia: uma discussão sobre trabalho prescrito e normas antecedentes. In: FIGUEIREDO, M. et al. (Org.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. 63-90 p.

VIEIRA-JÚNIOR, P. R.; SANTOS, E. H. A gênese da perspectiva ergológica: cenário de construção e conceitos derivados. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 83-100, jan./abr.2012.