ATIVIDADE, VALORES E SABERES NOS FIOS DE UMA TRAJETÓRIA: AS CONTRIBUIÇÕES DE YVES SCHWARTZ E DA ERGOLOGIA PARA OS ESTUDOS SOBRE TRABALHO E EDUCAÇÃO NO BRASIL

Wanderson Ferreira ALVES
Université Fédérale de Goiás-Brésil

Introdução

O objetivo deste texto é refletir a respeito das contribuições da ergologia para a área de estudos sobre trabalho e educação no Brasil. Para isso, em um primeiro momento, o texto apresenta o percurso histórico e algumas das características da área de estudos sobre trabalho e educação no Brasil. Em um segundo momento, busca-se situar o encontro de três pesquisadoras brasileiras que, a partir dos anos 1990, iniciaram o diálogo com Yves Schwartz e com as questões concernentes à abordagem ergológica. Por fim, o texto apresenta algumas discussões atuais da área de estudos sobre trabalho e educação no Brasil e busca evidenciar o lugar da ergologia nesse debate.

A singularidade dos estudos sobre trabalho e educação no Brasil

 Considerada em sua gênese, pensar a temática trabalho e educação no Brasil envolve encontrar os estudos e pesquisas de Miguel Arroyo, Acácia Zeneida Kuenzer, Paolo Nosella, Gaudêncio Frigotto, Lucília Machado, para ficar apenas em alguns dos nomes de autores responsáveis por obras seminais na comunidade acadêmica; envolve encontrar um certo número de periódicos especializados, como a revista Trabalho & Educação e a revista Trabalho Necessário; e envolve, por fim, encontrar a forte presença de uma matriz teórica e metodológica: o materialismo histórico-dialético, tendo como “centro de gravidade”, se me permitem a expressão, a obra de Antonio Gramsci e, é claro, a própria obra marxiana. A temática ganhou organicidade no meio acadêmico brasileiro, como testemunha a criação, em 1981, de um Grupo de Trabalho especialmente dedicado à questão – trata-se do GT-9 Trabalho e Educação – no seio da mais importante entidade representativa da pesquisa na área da educação no Brasil, a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd).

Assim, área de estudos sobre trabalho e educação, por definição pluridisciplinar, fronteiriça e mais ampla que o GT Trabalho e Educação, passa a ter com este uma sorte de núcleo aglutinador de pesquisadores que confere as bases teóricas e metodológicas acerca de muito do que será elaborado posteriormente na área da educação.

Esse patamar de organicidade descrito acima é o que não se encontra facilmente em outros países. A questão talvez tenha ganho essa característica no Brasil por dois conjunto de aspectos, um deles ligado a uma visão ampla de educação, o outro ao papel ativo dos estudiosos e pesquisadores de trabalho e educação na constituição do campo e as questões postas pela realidade brasileira daqueles anos 1970/1980, como a luta contra a ditadura militar, a militância sindical, o envolvimento com movimentos sociais etc. Merece também menção o valoroso papel de Dermeval Saviani, então na PUC/SP, na formação de muitos dos importantes nomes da educação brasileira na segunda metade dos anos 1970 e anos 1980, parte deles são justamente os pioneiros que participaram na criação e consolidação do GT Trabalho e Educação.

O que se passou nesse domínio? Quais lacunas restaram desses mais de 35 anos em que trabalho e educação se firmaram como pauta no âmbito acadêmico brasileiro?

Antes que listar lacunas, farei um caminho diferente: apresentarei, ainda que muito brevemente, três percursos biográficos de pesquisadoras da área trabalho e educação que estão entre as que inicialmente tiveram contato com a obra de Yves Schwartz, com isso avanço a hipótese de que esses percursos revelam as inquietações – e aqui pode-se avistar as lacunas na área – que motivaram esse “encontro”, mas também seus sentidos e valores. Eu falo de Eloisa Helena Santos, de Maria Inês Rosa e de Daisy Cunha. Os trechos entre aspas correspondem à entrevista que realizei com as autoras, registro aqui a elas meu agradecimento.

Três pesquisadoras brasileiras e a obra de Yves Schwartz

Entre aqueles e aquelas que pesquisavam na área trabalho e educação no Brasil, talvez a primeira pesquisadora a ter contato e a incorporar as questões propriamente ergológicas tenha sido Eloisa Helena Santos, ainda durante seus estudos de doutorado na Universidade de Paris, sob orientação de Bernard Charlot, entre 1987-1991. Em sua tese, as questões trazidas por Yves Schwartz em Expérience et connaissance du travail, publicado em 1988, são incorporadas e ocupam importante lugar. Em suas palavras: “quando pude ler aquela obra do Yves, o Expérience et connaissance du travail, aquilo me trouxe um grande impacto, ia ao encontro do que eu estava fazendo”. Mas para entender o que ela diz é preciso recuar no tempo.

Ligada à iniciativas de educação popular e a formação de trabalhadores, nos anos 1970, ela conduz junto com alguns amigos engenheiros cursos para operários pouco escolarizados. A questão da relação entre trabalho e saber se faz presente: “eu e meus amigos ficávamos estupefados com aqueles trabalhadores, com o que diziam, eles diziam coisas incríveis sobre o trabalho”. Segundo ela, isso a conduziu ao mestrado. É assim que na Universidade Federal de Minas Gerais entre 1979 e 1985, sob orientação de Carlos Jamil Cury, ela realiza uma pesquisa sobre o cotidiano dos trabalhadores em uma indústria brasileira. Mas, como ela relata em um texto publicado muitos anos depois, sua pesquisa apresentava um limite: concedia lugar pequeno a riqueza da vida na fábrica. Em suas palavras:

Embora enfatize o trabalho como « espaço de vida », como « movimento real dos trabalhadores », eu termino por lhe conceder somente o estatuto de uma resistência que, finalmente, não permite pensar o papel importante dos trabalhadores na transformação da produção, além da sua própria transformação neste processo. A vida em toda sua dimensão se esvai pelo poder do interesse do capital[1].

Com isso pode-se compreender a pertinência das reflexões de Yves Schwartz para a pesquisa que Eloisa Helena Santos realiza no doutorado: ela pesquisava novamente os operários, agora analisando o trabalho que realizam junto com os engenheiros da empresa tendo em vista o desenvolvimento de projetos. A leitura de Expérience et connaissance du travail foi naquele momento decisivo para ela: “o livro descortinou muita coisa”, ela diz. A tese foi defendida em 1991, anos depois, em 1996, a síntese dessa pesquisa foi apresentada no GT Trabalho e Educação na 19º Reunião da Anped. No texto figura uma citação do Expérience emblemática daquilo que Yves Schwartz aportava às reflexões de Eloisa e daquilo que era novo em seu modo de pensar o trabalho: “Porque o trabalho real não pode se identificar ao trabalho prescrito, o trabalho abstrato não pode encobrir, anular o exercício das atividades concretas” (p.3).

Maria Inês Rosa fez um caminho diferente.  Pesquisadora vinda da sociologia do trabalho, realizou entre 1976 e 1982 uma pesquisa de mestrado na Universidade de Campinas sob orientação de Michel Thiollent no qual o interesse fundamental era compreender a indústria brasileira nos anos 1960, as transformações do trabalho e as mudanças na estabilidade dos empregos face às novas formas de dominação do capital sobre os trabalhadores. Essa sociologia praticada por Maria Inês Rosa, que aqui chamarei de uma sociologia do trabalho standard – para lembrar uma expressão apreciada por François Vatin – se modifica sensivelmente nos momentos seguintes de seu desenvolvimento profissional.

O doutorado realizado na Universidade de São Paulo com Sérgio Adorno, entre 1987 e 1991, acrescentou ao sempre presente interesse pelos trabalhadores um referencial teórico e metodológico que apoiava-se em Michel Foucault, o que resultou uma análise que conferia importante lugar ao sujeito, às relações de poder e ao corpo.

Essa pesquisa, publicada em 1994 com o título Trabalho, subjetividade e poder, discute o trabalho e a dispensa do trabalho, como também evidencia a dignidade operária e os valores em jogo entre os trabalhadores de uma grande empresa que os querem mais. Nessa pesquisa não há referência à ergologia, o que existe é um profundo interesse em analisar à lupa o que se passa com os trabalhadores. Essa tendência parece permanecer mesmo em trabalhos um pouco mais antigos da autora em que a questão do corpo já assume um lugar importante, como no artigo  “A produção da violência no corpo do trabalhador”, publicado em 1992. O período de estudos pós-doutorais na École des Hautes Études en Sciences Sociales , entre 1994 e 1996, e a realização de um estágio no então Departamento de Ergologia da Université d’Aix-Marseille parecem ter agregado novas ancoragens para suas pesquisas.

O sujeito trabalhador, e seu corpo, tema por várias vezes por ela revisitado desde o final dos anos 1980 são agora situados, sem prejuízo de seu interesse por Michel Foucault e Norbert Elias, em termos de “corpo-si”, “renormalizações”, “usos de si”, expressões que abundam em suas reflexões e pesquisas subsequentes, especialmente em uma obra que reputo de leitura obrigatória para os interessados em estudar o trabalho operário no Brasil a partir do ponto de vista daqueles que o efetuam. Eu faço referência a Usos de si e testemunhos dos trabalhadores, obra publicado em 2004. A ergologia tinha muito a dizer sobre as questões desenvolvidas por Maria Inês Rosa, e ela percebeu. Como professora da UNICAMP e com apoio do CNPq, Maria Inês Rosa foi quem trouxe, em 1997, Yves Schwartz pela primeira vez ao Brasil, articulando nessa ocasião sua ida a Belo Horizonte, incluindo visitas à Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais e à Escola Sindical 7 de setembro[2]. A questão sindical nos leva a última de nossas interlocutoras, Daisy Cunha.

Daisy Moreira Cunha, professora da Universidade Federal de Minas Gerais, tem um longa ligação com o meio sindical, especialmente em relação a formação sindical no âmbito da Central Única dos Trabalhadores. Essa trajetória remonta ao final dos anos 1980, como dirigente sindical, e segue nos anos 1990 como assessora da Escola Sindical 7 de Outubro, em Belo horizonte. Mas os sindicatos, como lembram Yves Schwartz e Renato di Ruzza, são instituições que lutam por outros usos da força de trabalho, força de trabalho essa que não é apenas capacidade e energia dispendida, mas força viva, vida, saúde, laços sociais, identidade, construção de si e da sociedade. Contra uma forma social que trata o trabalhador como res (coisa), uma questão para o sindicato é afirmar os trabalhadores como sujeitos. “Os sindicatos – diz Daisy Cunha – tem isso como valor, demandam o reconhecimento do trabalhador”.

Tendo lidado com formação sindical nos anos 1990, olhando em retrospectiva, Daisy aponta as dificuldades daqueles que desenvolviam a formação em ter referenciais que ajudassem a pensar de outros modos o trabalhador e o trabalhar: “A literatura disponível sobre trabalho e educação não ajudava, então trazíamos Paulo Freire”. Nesse ponto, eu completo a questão para que Daisy explicite um aspecto importante, eu pergunto: por que Paulo Freire? “Ora – ela responde – no movimento sindical, nos movimentos sociais, a questão saber/valor é forte, por isso a ergologia cai como uma luva”.   Fica visível aqui um dos motivos pelos quais a ergologia encontra importante acolhida no Brasil: as questões de fundo que ela porta não são estranhas ao país de Paulo Freire.

Daisy Cunha, que estava entre as professoras da UFMG que receberam Yves Schwartz em sua primeira visita a Belo Horizonte, continuará seu percurso profissional e, entre 2000 e 2005 realizará seu doutoramento em filosofia pela Université de Provence, sob orientação de Yves. Seus trabalhos posteriores mostrarão a importância e a pertinência da ergologia para pensar e intervir nos meios laborais, a exemplo do projeto Conexões de Saberes sobre o Trabalho, realizado com os trabalhadores do setor de mineração.

Essas três biografias, aqui muito rapidamente visitadas, a partir do que evocam trajetórias profissionais e memórias de situações vividas, ajudam a compreender alguns dos aspectos sobre os quais haviam lacunas e insuficiências nos estudos sobre trabalho e educação no Brasil.  Era preciso, conforme a expressão de Eloisa Santos, considerar o “saber em trabalho”; era preciso avançar na compreensão do trabalhador, de sua palavra, do SER, nos termos de Maria Inês Rosa; era preciso efetuar aberturas tendo em vista visibilizar e fazer avançar a questão dos valores e saberes construídos pelos trabalhadores, conforme Daisy Cunha.

Conclusão

Os estudos sobre trabalho e educação avançaram muito desde os anos 1980. O encontro dos pesquisadores brasileiros com a ergologia foi um dos eventos que colaborou para esse desenvolvimento. Entre as contribuições da ergologia estão: a afirmação de um novo regime de produção de conhecimentos sobre o trabalho, a produção e legitimação de saberes nas situações de trabalho e a própria contribuição para que o pesquisador também se veja com um trabalhador na situação de trabalho/pesquisa.

Mas, em se tratando do trabalho nada é simples. Um debate recente na área de estudos sobre trabalho e educação, particularmente pelos grupos de pesquisa ligados ao GT Trabalho e Educação, vem colocando em evidência a importância de se considerar de outro modo o trabalho e o trabalhador.

Esse debate recente envolve uma discussão que chama atenção para o fato de que mesmo no seio da reprodução há produção de outras relações sociais e que a questão da relação entre trabalho e saber é muito importante[3]. Essa discussão chama atenção ainda para o fato de que talvez se tenha concedido um lugar secundário a experiência dos trabalhadores e as determinações da agência humana em privilégio das mediações da forma social capitalista[4].

Tudo isso interessa a ergologia. Não significa obviamente que somente ela pode falar sobre esses temas. Esses temas não são prisioneiros de ninguém e de nenhuma disciplina. O que digo é que essas reflexões que atualmente diversos pesquisadores em trabalho e educação vem fazendo evidenciam como o aporte da obra de Yves Schwartz e da abordagem ergológica tem sua pertinência para os interessados em compreender e transformar o trabalho. Há abertura para continuar avançando o debate?

Eu diria que sim, sobretudo se considerarmos a importância e a riqueza das questões levantadas pelas autoras citadas, Lia Tiriba, Naira Franzoi, Maria Clara Bueno Fischer. Mas o debate não é fácil.  É oportuno observar a esse respeito que a contradição que está no cerne do que foi apontado por estas autoras já estava francamente colocada na comunicação apresentada em 1996, portanto 21 anos antes, por Eloisa Helena Santos na ocasião da reunião da Anped, justamente no GT Trabalho e Educação. Naquela ocasião Eloisa nos trazia as palavras de Yves Schwartz em Expérience et connaissance du travail. Uma citação forte e bastante viva:

Porque o trabalho real não pode se identificar ao prescrito, o trabalho abstrato não pode encobrir, anular o exercício das atividades concretas que, em qualquer parte, reproduzem e alargam a personalidade global. É nisto que a experiência das forças produtivas constituem um problema tanto como uma exigência; o trabalho socialmente produtivo não é um império de homens abstratos em um império de homens concretos[5].

 


[1] SANTOS, Eloisa Helena. Ciência e cultura: uma outra relação entre saber e trabalho. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, n.7, jul-dez.2000, p.119-130.

[2] Cf. SANTOS, Eloisa H. A incorporação da ergologia no Brasil: avanços, limites e perspectivas. Trabalho & Educação, v.21, n.3, p.27-43, set.-dez. 2012.

[3] Cf. MORAES, Carmem S.V. (2015). Trabalho e educação com pauta do GT trabalho e Educação da ANPED. Algumas considerações sobre o campo de pesquisa. Trabalho Necessário, 13 (20), p.88-118;  FRANZOI, Naira; FISCHER, Maria C.B. (2015). Saberes do trabalho: situando o tema no campo trabalho-educação. Trabalho Necessário, 13 (20), p.147-172.

[4] TIRIBA, Lia (2015). “De olho” nos sujeitos trabalhadores e suas experiências de classe: contribuições ao campo trabalho e educação. Trabalho Necessário, 13 (20), p.119-146.

[5] Cf. SANTOS, Eloisa H. O saber em trabalho: a experiência de desenvolvimento tecnológico pelos trabalhadores de uma indústria brasileira. Anped, 19, 1996, Caxambú. Anais… Caxambú.Minas Gerais, 1996, p.3.