Encontro de conhecimentos e experiências de três trabalhadoras de diferentes profissões

Rosimare Petitjean
Rosilene Strecker
Geisa Abreu

Palavras chave : Ergologia, transformação do trabalho, co-construção de conhecimentos.

Esta comunicação traz alguns relatos e a síntese de discussões  sobre algumas iniciativas que tiveram três profissionais de colocarem em  prática a abordagem ergológica na transformação do trabalho. A comunicação apresenta também  alguns aspectos relacionados aos  avanços  e às dificuldades encontradas por essas trabalhadoras ao levarem a cabo suas iniciativas.

Nesses 30 anos da Obra de Yves Schwartz, considera-se pertinente um debate entre vários profissionais sobre como a Ergologia tem alcançado os trabalhadores, favorecendo, com isso,  as possibilidades de transformação do trabalho e encontrando maneiras de ampliar ainda mais o alcance dessa abordagem nos países onde esta obra tem se difundido.

Buscando seguir essa perspectiva e dialogando e refletindo sobre a dicotomia conhecimento versus experiência e ainda partindo do princípio de que todos somos portadores de ambos, buscou-se mostrar um lado mais prático da abordagem ergológica.

O objetivo desta comunicação é, portanto, apresentar uma co-construção em trio, fruto de um diálogo sobre os pontos de vista de três profissionais que, ao ampliarem sua visão do trabalho por meio de estudos e reflexões  sobre a teoria desenvolvida por Yves Schwartz, tentam vivê-la em seu campo profissional.

Para isso,  foi realizado um debate virtual entre essas profissionais, tendo como base  algumas questões sobre a transformação do trabalho.

As autoras dessa co-construção são três trabalhadoras que residem em regiões diferentes do Brasil. Têm formação universitária e atuam em diferentes profissões.  Uma delas exerce um cargo técnico  administrativo em uma instituição pública e ministra alguns cursos na área de saúde e segurança no trabalho em uma instituição privada de ensino e participa de dois grupos de pesquisa sobre ergologia. Ela reside em Minas Gerais, no sudeste do país, na cidade de Belo Horizonte. A segunda reside  também em Minas Gerais, na cidade de São João Del Rei, atua como docente em uma instituição pública de ensino profissionalizante e participa do coletivo de ergologia, criado em Minas Gerais. A terceira, residente na cidade de Porto Alegre, Sul do país,  é técnica de operação em uma grande indústria brasileira e também é jornalista, linguista e pesquisadora de Linguagem e Ergologia.

Dentre os vários aspectos debatidos sobre as atuações dessas profissionais, elas relatam duas iniciativas de transformação do trabalho que se constituíram em avanços importantes.

Uma dessas iniciativas, realizada pelas duas primeiras autoras deste trabalho, consistiu em levar o conceito de Ergologia para os alunos de um Curso Técnico Profissionalizante de Vendas, criando a oportunidade de refletirem sobre o próprio trabalho, no seu dia a dia, à luz da perspectiva ergológica. Como todos os alunos, além de estudantes, eram também profissionais tentando se qualificar ou buscando uma nova profissão, pôde-se estabelecer um diálogo construtivo sobre o saber da experiência daqueles trabalhadores. Sendo estes empregados ou prestadores de serviços em diferentes empresas privadas (trabalhadores da linha de produção de biscoitos de uma pequena fábrica, vendedores, secretárias, balconistas, etc.), puderam vislumbrar pela primeira vez, conforme relataram, que a realização do seu trabalho ia muito além daquilo que era prescrito. Assim, foi registrado o amadurecimento dos alunos sobre o tema, ao longo do curso, e um deles elaborou e apresentou um trabalho sobre o assunto em um congresso e em um evento na escola. Este aluno também introduziu o tema para os trabalhadores em uma associação de bairros da qual participava.

A segunda iniciativa foi realizada pela terceira autora desta comunicação, que desenvolveu a oportunidade para os trabalhadores terceirizados falarem sobre sua atividade através de poesias. O evento se chamou “concurso de poesias ‘a vida no trecho'” e culminou com a publicação de noventa e quatro poemas, que revelaram, dentre outros aspectos, a dimensão subjetiva da atividade desses profissionais como mostra a poesia a seguir, do auxiliar de segurança Deivid Fontoura Nogueira (2007) :

 Lembrança
O martelo é pesado
Mas o sorriso é leve
O barulho é chato
Mas o amigo é alegre
O trabalho cansa
Mas as amizades compensam
Ao voltarmos para casa
Nos resta a lembrança
Dos amigos que ficaram
Dos sorrisos que ganhamos
E da alegria que vivemos.

Cabe salientar ainda que na elaboração desta comunicação em trio, as três profissionais discutiram também  certas dificuldades na aplicação da abordagem ergológica tais como os diferentes e, às vezes, divergentes pontos de vista dos diversos setores de uma mesma empresa ou instituição, bem como as dificuldades de evolução das iniciativas individuais de transformação do trabalho.

No debate em trio, as autoras abordaram também o papel fundamental das iniciativas de caráter mais coletivo e mencionam  algumas alternativas que têm sido estudadas e discutidas atualmente, como os grupos de encontros do trabalho (GRT), os comitês multidisciplinares e multiprofissionais existentes dentro das empresas e instituições, assim também como a importância da luta sindical, especialmente quando esta inclui as condições de trabalho. Para a primeira autora desta comunicação, em todas essas iniciativas o diálogo entre os diferentes profissionais é um fator essencial, porém, por diversas razões, nem sempre este é produtivo. Na sua experiência ela observa que em muitos casos não se consegue nas intervenções, uma real abertura organizacional e em outros casos não há interesse da empresa, da instituição ou de certos profissionais em realmente transformar o trabalho, contentando-se apenas em compreendê-lo um pouco mais.

Como toda atividade de trabalho é atravessada de história (Schwartz, 2003), considera-se que essa co-construção tem se constituído em um re-questionamento e uma recombinação de saberes. Este debate tem possibilitado que as questões se tornem mais claras, dando uma maior visibilidade ao trabalho executado no dia a dia e, mais especificamente, a alguns aspectos da atividade destas profissionais. Essa discussão tem possibilitado ainda organizar um encontro de conhecimentos e experiências, tanto no plano individual, como coletivo. Enfim, esse compartilhamento tem aumentado em alto grau a compreensão que as autoras tinham inicialmente sobre o tema,  ampliando suas perspectivas de ação,  que ao serem discutidas entre elas, têm lhes indicado novas alternativas rumo à transformação do trabalho em seus campos profissionais.

Uma dessas alternativas consiste em um projeto, da primeira autora deste trabalho, de utilização de ferramentas digitais para  difundir  amplamente a Ergologia em seu campo de atuação – Saúde e Segurança no trabalho –  onde a  abordagem ergológica tem muito a contribuir. Ela pretende atingir um público amplo, formado não apenas por universitários, mas também por vários profissionais e trabalhadores que muito podem se beneficiar com os conceitos ergológicos voltados para este campo do conhecimento.

Uma outra alternativa que vem sendo desenvolvida pela segunda  autora deste trabalho é um projeto em uma Associação Comunitária sobre o trabalho da mulher com o intuito de contribuir para uma reflexão sobre a atividade das mulheres.

Como outras tantas observações sobre/na atividade geram inquietação, a terceira autora deste trabalho tem como próximo projeto o de liderar o GEI (Grupo de Estudos Independentes) que é um grupo de leituras e debates  sobre a atividade específica de técnicos de operação na indústria petroquímica, com o objetivo de fortalecer o pólo 2 para um desempenho mais crítico e empoderado na atividade.

A elaboração desta comunicação em trio deu a cada uma das autoras a oportunidade de resgatarem um pouco de sua história dentro da ergologia abrindo perspectivas de novos projetos neste caminho que vem sendo construido por muitos profissionais, a partir da obra de Yves Schwartz.

Referências Bibliográficas

ABREU, Geisa (coord.). A vida no trecho : Equanto houver o trecho, haverá histórias apra contar! Porto Alegre : Edição Serrasul Eventos & Comunicação, 2007.

CUNHA, Daisy; LAUDARES, João Bosco. Trabalho: um objeto transciciplinar esperando reconhecimento. In : CUNHA, Daisy; LAUDARES, João Bosco. Trabalho: diálogos multidisciplinares. Belo Horizonte. Editora UFMG, 2009.

DI RUZZA, Renato. L’aventure ergologique. In: DI RUZZA, Renato. De l’économie politique à l’ergologie. Paris: Éditions L’Harmattan, 2003.

Petitjean, Rosimare. Le dialogue entre les différentes catégories d’acteurs dans les démarches de prévention des risques au travail. Une source de savoirs utile à la production de connaissances. Thèse – Aix Marseille Université, Institut d’Ergologie, Aix-en-Provence, 2015.

SCHWARTZ, Yves ; DURRIVE, Louis. L’activité en dialogue: entretiens sur l’activité humaine (II). Toulouse: Octarès Éditions, 2009.

SCHWARTZ, Yves ; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Tradução de Jussara Brito [et al.] e revisão técnica de Jussara Brito

SCHWARTZ, Yves ; FAITA, Daniel ; VUILLON, Bernard. Conclusion. In: SCHWARTZ, Yves ; FAITA, Daniel ; VUILLON, Bernard. Reconnaissances du travail: pour une approche ergologique. Paris, PUF, 1997.

SCHWARTZ, Yves. Manifeste pour un ergo-engagement. In: SCHWATZ, Yves; DURRIVE, Louis. L’activité en dialogue: entretiens sur l’activité humaine (II). Toulouse : Octarès Éditions, 2009.

SCHWARTZ, Yves. A dimensão coletiva do trabalho e as Entidades Coletivas Relativamente Pertinentes (ECRP). In : SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Tradução de Jussara Brito [et al.] e revisão técnica de Jussara Brito e Milton Athayde. 2. ed. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2007a.