Trabalho em Coworkings: entrelaçamento teórico-reflexivo a partir da concepção de atividade

Gislene Feiten Haubrich
Universidade Feevale
Ernani Cesar de Freitas
Universidade Feevale
Contato: gisleneh@gmail.com

Considerações Iniciais

As sociedades têm se transformado. Ancoradas nas mais diferentes abordagens discursivas, constituem-se como elementos complexos, heterogêneos e ativos. A complexidade remete a multiplicidade de seres e de seus pontos de vista, que se conectam e se afastam a todo tempo. Tal dinâmica é um dos componentes do grande agregado de significados disponíveis no contexto coletivo e está diretamente vinculado ao hibridismo identitário do corpo-si. Essa característica é cada vez mais evidente pela possibilidade de manifestar a si mesmo a partir de diferentes plataformas, num processo de proliferação mensageira que envolve tanto o global, mas, sobretudo, reforça os vínculos locais, junto às tribos. Por fim, o espaço coletivo que envolve os sujeitos é, inegavelmente, impactado por todas as tomadas de ação por eles efetivadas, posto que culminam com o compartilhamento de experiências e de saberes. Assume-se, então, uma perspectiva que percebe o mundo como uma construção permanente, ressignificada mediante as interações do ser com cada uma das dimensões que envolve sua vida.

Todo esse escopo de reflexão é perpassado pela Ergologia de modo bastante efetivo. Somente uma abordagem calcada na interdisciplinaridade pode promover um entendimento amplo sobre as problemáticas que, através das gerações, atravessam o mundo do trabalho. Mesmo que as tecnologias sejam, em geral, o enfoque dessas grandes transformações sociais, o que de fato as torna viáveis é a adesão do ser à proposta ideológica incorporada pela tecnologia, posto que ela é produzida, também, por seres vivos. Tal adesão, salienta-se, decorre das interações, das práticas comunicacionais entre indivíduos. Essas pistas conduzem à reflexão pretendida por este estudo, que pode ser explicitada: como a interface entre os estudos ergológicos e do chamado Círculo de Bakhtin, sob a égide na noção de atividade, contribui para a compreensão do trabalho no contexto dos coworkings? Essa questão conduz ao objetivo de compreender o trabalho em coworkings a partir de discursos elaborados por trabalhadores com base nas abordagens ergológica e bakhtiniana sobre a noção de atividade.

Proposição Discursiva 1: Ergologia

A noção de atividade é central para a abordagem ergológica. O ponto de partida é a vida humana e o ponto de evidência é o reconhecimento do trabalho como parte fundamental da vida, como atividade humana. Schwartz (2007) ressalta que a função, a significação e o objetivo da concepção de atividade, na proposta da ergologia, é superar a cisão entre um ponto de vista baseado puramente no método científico e aquele que reconhece o fazer enquanto enigmático, irrepetível e historicamente definido. Dessa premissa, desenvolve-se a concepção da atividade enquanto o “debate de normas” entre o ser vivo e o seu meio, culminando com a tomada de decisão, a arbitragem daquele que age (SCHWARTZ, 2011). O saturado mundo das normas antecedentes impulsiona o agir em resposta a situação presente, posto que é impossível e invivível atender plenamente às normas postas previamente (SCHWARTZ, 2007, 2011).

Durrive (2011) evidencia que embora procure-se caracterizar a norma como uma disposição preliminar, a etimologia da palavra incorre na sua definição da necessidade de fixação de limites, ou seja, define-se após uma transgressão. A inversão socialmente efetivada garante seu prestígio mediante sua disposição prévia. “[…] mover-se dentro de um universo de normas” (DURRIVE, 2011, p. 49) implica uma dupla base avaliativa operada pelo ser. As normas exógenas advêm, explicitamente, do outro, do meio, enquanto as normas endógenas referem-se aos elementos orientadores apreendidos pelo ser de modo singular. Durrive (2011) apresenta, ainda, considerações para que se compreenda o debate de normas, a começar por reconhecer a manifestação dialética da distância entre o prescrito e o real. O segundo aspecto implica perceber a organização do meio em função do si, centro de avaliação e decisão. Por fim, importa reconhecer que a vida se fundamenta no confronto do si com o mundo normativo.

Proposição Discursiva 2: Círculo de Bakhtin

Bakhtin (2010) em seus estudos iniciais elabora uma noção complexa que perpassa toda a obra do Círculo. O ato ético refere-se ao agir em situação concreta em uma imbricação dialética entre a unidade objetiva da cultura e a singularidade irrepetível do existir, dimensões incomunicáveis fora de desse vínculo. O ato é permeado, nesta perspectiva, por uma dupla responsabilidade, especial e moral, que depende da presença do outro e implica um não-álibi. Para o Círculo, o eu e o outro são centros de valor em reciprocidade, cuja relação é dialógica. Tal relação é mencionada por Faraco (2003, p. 66) “como espaços de tensão entre os enunciados”. Ou seja, de acordo com o ponto de vista bakhtiniano, o eu e o outro enquanto centros de valor, não cessam de interagir por meio da linguagem, numa corrente ininterrupta de enunciados que atualiza os significados que constituem a realidade por eles compartilhada.

O vínculo dialético evidenciado pelo ato ético é fundamentado por relações dialógicas entre diferentes vozes sociais expressas por enunciados concretos. É nesse sentido que Volóchinov (2017, p. 106) destaca que “a palavra participa literalmente de toda interação e de todo contato entre as pessoas”. Essa participação não é neutra, mas decorrente da comunicação social de uma coletividade organizada a partir de diferentes horizontes sociais, resultantes dos processos de reflexão e refração de um objeto em um contexto e uma situação social histórica e localmente determinadas. Destas breves considerações, pode-se depreender que o ato ético está sustentado na relação entre o eu e o outro, cuja conexão é a interação verbal orientada por avaliações responsivas e responsáveis pela constituição ideológica de uma coletividade.

Proposição Discursiva 3: Coworking Wiki

De acordo com Jones et al. (2009, p. 8), “a palavra coworking tem diferentes significados: […] um nome próprio para designar um movimento, um verbo para descrever uma atividade ou um adjetivo para caracterizar um espaço”. No sentido atual, o termo coworking foi utilizado pela primeira vez em 2005 pelo americano Brad Neuberg que se via desanimado com seu emprego, mas não tinha a intenção de trabalhar em casa, cafés, etc. Em seu blog, Neuberg afirma que seu propósito era combinar “a liberdade e a independência de trabalhar para mim mesmo juntamente com a estrutura e a comunidade no trabalho com outros”. Com base nestas considerações e no escopo macro das estruturas laborais existentes, coworking pode ser compreendido como uma renormalização, uma resposta ao debate de normas que permeia a atividade de muitos trabalhadores.

Ancora-se tal premissa nas construções discursivas elaboradas por trabalhadores que fazem parte da comunidade virtual denominada Coworking Wiki. Sujeitos de diferentes países utilizam a plataforma para trocar ideias e compartilhar documentos, saberes “acadêmicos”, acerca das práticas que realizam nos espaços onde trabalham. Destacam-se dois textos divulgados no portal. O primeiro refere-se a resposta à questão o que é coworking? “A ideia é simples: profissionais independentes e com flexibilidade de local de trabalho trabalham melhor juntos do que sozinhos. Espaços de coworking referem-se à construção de comunidade e sustentabilidade. Os participantes concordam em apoiar os valores apresentados pelos fundadores do movimento, assim como interagir e compartilhar entre si. Nós estamos criando lugares melhores para se trabalhar e como resultado, temos um jeito melhor de trabalhar” (COWORKING WIKI, 2017). O segundo excerto selecionado retrata os valores da comunidade: colaboração, disponibilidade, comunidade, acessibilidade e sustentabilidade.

Entrelaçamento Discursivo: atividade laboral em coworkings

As noções de atividade e de ato ético complementam-se e contribuem com reflexão sobre a centralidade das escolhas do corpo-si nas diferentes esferas do agir humano. No âmbito das similaridades está o vínculo estabelecido entre dimensões que não pretendem convergir incialmente. O prescrito e o real se encontram no confronto do si com o mundo de normas. O resultado desse encontro implica a escolha efetivada pelo trabalhador em situação (SCHWARTZ, 2007). O ato ético conecta dois universos incomunicáveis: a unidade subjetiva da cultura e a singularidade irrepetível do existir. A resposta do eu relaciona-se dialogicamente com o outro, que é tanto fonte quanto interlocutor do enunciado proferido (BAKHTIN, 2010). Assim, renormalização e enunciado, nesta aproximação teórica, dialogam enquanto resultados de processos dialéticos de apreensão da norma, imbricada ao mundo da cultura, do debate conduzido pela avaliação dos horizontes sociais evocados pela norma e, por fim, da tomada de decisão que quando enunciada, de modo verbal ou não, expressa a renormalização proposta.

A manifestação da comunidade Wiki revela o investimento de saberes dos trabalhadores para organizar o meio em função de si. Seja pela busca de um jeito melhor de trabalhar ou pelo perfil explicitado com a definição dos valores mobilizadores do horizonte social, estabelecem-se orientadores das ações relacionadas à coworking. Depreende-se que a efetivação desse movimento comunitário é resultado de uma relação dialógica entre os fundadores, que compartilham a insatisfação com as estruturas laborais vigentes, mas que se ancoram na tensão entre tais modelos para construir uma proposta considerada por eles mais adequada. O agir em situação, por meio das interações, também é evidenciado. A incitação à concordância e ao apoio às ações propostas implica uma norma ao mesmo tempo em que suscita um encontro com pontos de vista diversos, cuja tensão evidencia que é “melhor trabalhar juntos do que sozinhos”.

REFERÊNCIAS

BAKHTIN, M. (2010). Para uma Filosofia do Ato. Tradução: Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores.

COWORKING WIKI. (2017). Core Values. Disponível em: http://blog.coworking.com/core-values/. Acesso em: 08 ago. 2017.

COWORKING WIKI. (2017). Manifesto Coworking. Disponível em: http://wiki.coworking.org/w/page/35382594/Coworking%20Manifesto%20(global%20-%20for%20the%20world). Acesso em: 08 ago. 2017.

COWORKING WIKI. (2017). Disponível em:  http://wiki.coworking.org/w/page/16583831/FrontPage. Acesso em: 08 ago. 2017.

DURRIVE, L. (2011). A Atividade Humana, Simultaneamente Intelectual e Vital: esclarecimentos complementares de Pierre Pastré e Yves Schwartz. Tradução: Magda Duarte dos Anjos Scherer. Revista Trabalho, Educação e Saúde, v. 9, supl. 1, p. 47-67.

FARACO, C. A.  (2003). Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar Edições.

JONES, Drew. et al. (2009). I’m Outta Here!: How Coworking is Making the Office Obsolete. Texas: NotanMBA Press.

SCHWARTZ, Y. (2007). Un bref aperçu de l’histoire culturelle du concept d’activité. @ctivités, 4 (2), pp. 122-133. Disponível em: http://www.activites.org/v4n2/v4n2.pdf. Acesso em: 08 ago. 2017.

SCHWARTZ, Y. (2011). Pourquoi le concept de corps-soi? Corps-soi, activité, expérience. Revue Travail et Apprentissages : didactique professionnelle. N. 7, Editions Raison et Passions, junho. Disponível em: <http://www.raisonetpassions.fr/index.php?id_product=33&controller=product>. Acesso em: 08 ago. 2017.

VOLÓCHINOV, V. (2017). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Tradução: Sheila Grillo e Ekaterina Américo. São Paulo: Edições 34.