Debate de valores e (in)visibilidade da atividade de revisão de textos acadêmicos: entre as abordagens dialógica e ergológica

Vanessa Fonseca Barbosa
Doutoranda – PUCRS/CAPES
Maria da Glória Corrêa di Fanti
Professora-Pesquisadora – PUCRS

A atividade profissional do revisor de textos acadêmicos é por vezes silenciada, considerando que, na maioria das vezes, não se faz menção e/ou registro a esse trabalho nos textos vindos a público. Afinal que trabalho é esse que, embora tenha o incentivo da comunidade acadêmica, não tem a exigência de registro em trabalhos como dissertações e teses? Partindo do pressuposto de que a atividade do revisor de textos acadêmicos é fundamental para a qualificação da versão final do texto apresentado, já que um olhar distanciado, diferente do autor do trabalho em si, pode indicar problemas importantes a serem resolvidos, questiona-se sobre a complexidade da atividade do revisor de tese acadêmica (pesquisa exigida para titulação de doutor), no que tange ao silenciamento e à invisibilidade dessa atividade.

Além do silenciamento e da invisibilidade, o revisor se confronta com diferentes perspectivas da comunidade acadêmica e de quem demanda seu trabalho, que variam, dentre outras possibilidades, em um processo de adequação gramatical que não considera o sentido, uma espécie de revisão equivalente à coautoria e um trabalho completo de reescrita voltado a problemas gramaticais, estruturais e/ou semânticos. Se tais perspectivas não se afinam com o trabalho de revisão, que outra(s) perspectiva(s) os revisores de teses adotam? Como não há muitos espaços profissionais institucionalizados para o exercício desse trabalho, é comum que os revisores de textos acadêmicos façam a revisão de modo isolado, de maneira bastante diversificada e com quase nenhum reconhecimento do mercado em que atuam.

Considerando esse cenário e a necessidade de se compreender particularidades da atividade do revisor textual, a presente reflexão ancora-se na perspectiva ergológica e nos pressupostos bakhtinianos, visando articular questões referentes à atividade de trabalho e à atividade de linguagem. Para a abordagem ergológica, a atividade de trabalho constitui-se por um contínuo debate de valores e normas, que incluem as normas antecedentes e as renormalizações. Se as normas antecedentes contemplam desde saberes teóricos mais amplos até conhecimentos práticos diários, qual a sua importância para as renormalizações, tendo em vista a capacidade humana de ressignificar a prática, a partir das situações concretas em que os sujeitos atuam? Para os estudos bakhtinianos, a linguagem, em sua tessitura verbal e não-verbal, tem como princípio constitutivo o dialogismo, ou seja, o pressuposto de que há uma inter-relação permanente, mais ou menos observável, com outros discursos e com o discurso do outro, garantindo a dinamicidade da linguagem e a produção de sentidos. Nesse contexto, tanto a atividade de trabalho quanto a de linguagem operam com parcelas de visibilidade e invisibilidade, que convocam análises e reflexões para o seu (re)conhecimento.

Para o presente estudo, que faz parte de uma pesquisa maior, desenvolvida na PUCRS, são considerados, além de excertos de teses revisadas, trocas linguageiras estabelecidas entre revisores e autores de teses e questionários aplicados a revisores e autores de teses. Espera-se, com esta reflexão, abrir espaço para discussões acerca da complexidade e importância da atividade do revisor de textos acadêmicos, bem como aprender características do (in)tenso processo dialógico e debate de valores e normas que constituem esse fazer.

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, M. Teoria do romance I: A estilística. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. Trad. Carlos Alberto Faraco e Valdemir Miotello. 2. ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

BARBOSA, V.F.; DI FANTI, M.G.C. Entre aproximações e distanciamentos: movimentos dialógicos da atividade de trabalho do revisor de textos acadêmicos. In: STAFUZZA, G. B., Discursividades contemporâneas: política, corpo, diálogo. Campinas-SP: Editora Mercado de Letras, 2017.  (no prelo)

DI FANTI, M.G.C. Linguagem e trabalho: diálogos entre estudos discursivos e ergológicos. Revista Letras de Hoje, Porto Alegre: EDIPUCRS, volume 49, número 3. 2014.

DI FANTI, M.G.C. Linguagem e trabalho: diálogo entre a translinguística e a ergologia. Passo Fundo: Desenredo, 2012.

DURRIVE, L. L’expérience des normes. Comprendre l’activité humaine avec la démarche ergologique. Toulouse: Octarès, 2015.

NOUROUDINE, A. A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In: SOUZA-E-SILVA, M. C.; FAÏTA, D. (Org.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. Tradução Ines Polegatto e Décio Rocha. São Paulo: Cortez, 2002.

SCHWARTZ, Y,; DI FANTI, M.G.C.; FONSECA, V.B.  Uma entrevista com Yves Schwartz. Revista Letrônica, v. 9, n. esp. (supl.), nov. 2016a.

SCHWARTZ, Yves. Abordagem ergológica e necessidade de interfaces pluridisciplinares. ReVEL, edição especial n. 11, 2016b.

SCHWARTZ, Y. Motivações do conceito de corpo-si: corpo-si, atividade, experiência. Revista Letras de Hoje, Porto Alegre: EDIPUCRS, volume 49, número 3, 2014.

SCHWARTZ, Y. Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Revista trabalho, educação e saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, v. 9, supl. 1, 2011.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & ergologia: conversas sobre a atividade humana. Trad. Milton Athayde e Jussara Brito et al. Niterói: EdUFF, 2010.

SOUZA-E-SILVA, M. C. P.; FAÏTA, D. (Org.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.