O Dispositivo Dinâmico de 3 Polos (DD3P) e os Grupos de Encontro do Trabalho (GRT) na produção de conhecimento sobre a atividade humana em diversos espaços sociais

Edna Maria Goulart Joazeiro
Magda Duarte dos Anjos Scherer

INTRODUÇÃO

O texto apresenta três experiências de uso de Dispositivo Dinâmico de 3 Polos (DD3P) e de Grupo de Encontro do Trabalho (GRT) realizadas em duas cidades de médio e de grande porte do Estado de São Paulo e em Brasília, no Brasil. Enfatiza a importância dessas ferramentas analíticas construídas pela Abordagem Ergológica para a compreensão e a produção de conhecimento sobre a atividade humana no trabalho em distintos espaços sociais.

A primeira experiência enfatiza a dimensão Pedagógica da metodologia com uso do DD3P como ferramenta analítica utilizada na Oficina Pedagógica de acompanhamento da implementação do novo currículo do Curso de Enfermagem da Universidade de Brasília – UnB, a segunda destaca a dimensão analítica e dialógica no estudo de Pós-doutorado sobre a relação de saberes entre a supervisão acadêmica e a de campo no Serviço Social (Goulart, 2012; 2015). A terceira destaca o uso da tecnologia de análise do trabalho, o DD3P, como ferramenta para compreender a dimensão coletiva do trabalho em Hospital de Ensino na área de Cirurgia, ancorada no estudo multicêntrico dos hospitais escola: Argélia, Brasil e França, tanto no trabalho de campo, quanto nas diversas etapas de formação da equipe de pesquisadores, trabalhadores e gestores do Hospital (Scherer et al, 2013).

CONCEITUANDO

Na perspectiva ergológica, em toda atividade humana estão presentes debates de normas, valores e a dupla antecipação. A primeira antecipação refere-se à atividade de conceituação; àquela que se dá antes que cada um tenha encontrado o meio no qual realizará sua atividade. A segunda antecipação, a do encontro do protagonista com a atividade a ser realizada, requer, do “sujeito”, do corpo-si, que realize renormalizações e ressingularizações da norma antecedente, no aqui e agora da atividade. Esse encontro é sempre singular, imprescritível, pois cada um “antecipa o outro, em seu próprio esforço, para tornar inteligível um meio de vida ou de trabalho” (Schwartz, 2007, p. 2), nele está presente à relação entre o “sujeito”, o conceito e a vida. O DD3P é uma ferramenta da Ergologia, um dispositivo de saber que visa criar “lugares ou dispositivos onde se possa construir saberes que integrem explicitamente as exigências epistemológicas ajustadas a essa configuração triangular” (Schwartz, 1996, p. 159).

Esses dispositivos permitem que ‘cada um debata com os outros a distância inventiva que eles entretêm face-a-face com as normas existentes”  (Schwartz, Durrive, 2009, p. 262) . O GRT é um instrumento que se ancora nos princípios e fundamentos desses dispositivos. Como ferramenta de análise da atividade, ele compreende o trabalho como um lugar de encontro onde  “operam circulações, em todos os sentidos, entre os saberes ‘desinvestidos’ (Schwartz, 2007, p. 17), tais como as universidades ou outras instituições os produzem, e as situações industriosas singulares, onde se enraízam as competências dos profissionais que intervêm”(SCHWARTZ, 2007, p. 22). Caracteriza-se pela realização de encontros de atividade, coordenados por um animador ou por uma dupla de animadores. Os membros do grupo são convidados a “cada um se colocar com disponibilidade para aprender com os outros e para transmitir ao outro aquilo que lhes ensina a confrontação ao real (Schwartz, Durrive, 2009, p. 262) e como eles têm sido (re)tratados, onde o vivido e o dito são analisados como cruzamentos de registros, para tornar visível o encontro dos dois eixos.

DIMENSÃO PEDAGÓGICA: ENSINO E CUIDADO NA SAÚDE

Na Oficina Pedagógica de acompanhamento da implementação do novo currículo do Curso de Enfermagem da Universidade de Brasília – UnB, mediante o uso de DD3P como ferramenta analítica, enfatizou-se as dimensões conceituais, legais, assistenciais, gestionárias, pedagógicas e de produção de conhecimento na área de conhecimento da Enfermagem. Trata-se de profissão da saúde que lida com a vida, com agravos à saúde, terapêuticas, mediados pela exigência de um contínuo aperfeiçoamento técnico científico e gestionário, aliado ao compromisso com o ato de formar profissionais capazes de enfrentar as interfaces entre necessidades em saúde, disponibilidade de tecnologia, num país fortemente marcado pela escassez de recursos para suprir a demanda assistencial da população SUS dependente.

O uso de DD3P deu-se para criar condições objetivas para a produção de um ponto de vista singular e coletivo acerca do projeto de formação em curso. A organização do atelier contou com atividade de estudo prévio de Canguilhem (1947, 2005); Hirsch (1997) e Pires (2009), Peduzzi (2001).  A aproximação do eixo trabalho se apoiou na obra de Schwartz (1985, 1988, 1995, 1997, 2000, 2005, 2007), Guerin (2001), Durrafourg (1998), Durrive (1999), Wisner (1995) e Oddone (1981). Mediado por esses conteúdos, nos DD3P, debateu-se a configuração do campo de saber, a relação com as normas e temporalidades diversas e o ensino do trabalho no estágio obrigatório e nos cenários da prática do SUS.

As considerações dos ateliês apontaram para a necessidade de ampliar os conhecimentos nas séries iniciais, visando desenvolver o conhecimento dos ingredientes (Schwartz, 2000, p. 487) 1, 2 e 3, sem perder de vista, a necessidade de valorização da dimensão do cuidado com o outro e das dramáticas de uso de si, e a necessidade de criar espaços nas séries centrais e finais do curso para desenvolver a capacidade de análise situacional e de conjuntura, presentes na relação entre os primeiros ingredientes e os ingredientes 4, 5 e 6 (ibid., p. 495), o uso de tecnologias, e a capacidade de aprofundar as múltiplas dimensões do ‘cuidar do outro’, ao mesmo tempo em que, prepara os discentes para a tomada de decisão e a produção de saber. Nos ateliês e nos três DD3P – enfatizou-se a concepção presente no Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem e os desafios do trabalho de ensinar a profissão de modo a dar sinergia aos três núcleos que compõem o projeto pedagógico, marcados pela dimensão técnica, gestionária, pedagógica, axiológica e coletiva do cuidar.

 EXTERRITORIALIDADE E FORMAÇÃO

A segunda experiência destaca a dimensão analítica e dialógica no estudo de Pós-doutorado “Supervisão de estágio acadêmica e de campo no Serviço Social: interpenetração e [in]dissociabilidade de saberes e de temporalidades da e na formação” (Goulart, 2013, 2015), onde ambas as ferramentas foram utilizadas para compreender o trabalho das duas modalidade de supervisão acadêmica e de Campo  no Serviço Social, na microrregião de Campinas-Sorocaba; Brasil. No estudo sobressaem dois aspectos: i) a importância da experiência do e no Département d’Ergologie no processo de revelar o sentido e o valor da atividade do e no trabalho, das normas antecedentes do dispositivo Grupo  de Encontro do Trabalho, de forma a contribuir para nos “instalar[mos]  no ‘ergológico’”  e constatar que a atividade,  […] é tal que por natureza [re]interroga e desestabiliza os conceitos que procuram circunscrevê-la” (Schwartz, 2000, p. 61); ii) a rica experiência dos encontros possibilitada por  uso de dispositivos artificiais (GRT e DD3P) com a presença de protagonistas da atividade de trabalho mediados pelas categorias analíticas da ergologia e pela experiência do e no trabalho,  que pela natureza de sua ação dispersa em diferentes cenários no mundo do trabalho teriam dificuldade de construir um ponto de vista individual e coletivo sobre sua atividade de trabalho, suas normas, temporalidades, racionalidades, subjetividade e devir.

O interesse e a abrangência do objeto de estudo exigiu primeiramente, empreender uma revisão de literatura e realizar encontros com idealizadores desse dispositivo – Schwartz (2000) e Vuillon, e demais autores que têm trabalhado com esse tema, Durrive (1992), Jean (2004), Rollim, Trinquet (1996), Orban (2004), Mailliot (2007), Venner (2010), Dassa-Galindo (2009) que conosco dialogaram sobre os fundamentos dos dispositivos e sobre a atividade de coordenação de DD3P e GRT. Mediado pela realização desses encontros, os autores tematizaram, fazendo uso da atividade de linguagem, ou seja, usando a “palavra” para dizer de sua outra atividade, a de “animação de GRT”. Dessa forma, foi possível empreender uma aproximação do saber de natureza híbrida, marcado tanto pelas normas antecedentes da Ergologia e por um modo particular de reconhecer a atividade de trabalho, pelo uso de diversas ferramentas analíticas, e da gradual constituição de um corpo-si e das dramáticas de uso de si indispensáveis para a realização dessa atividade de trabalho.

No estudo, aprofundamos as análises relativas às epistemicidades, 1, 2, 3 e 3bis (Schwartz, 2005, 2009) visando compreender a natureza de seus saberes e sua circulação da e na atividade de trabalho. A atividade de campo do estudo, contou com dois grupos de GRT, com seis encontros quinzenais em cada uma das duas cidade da região de Campinas, Brasil, perfazendo um total de doze encontros tendo sido finalizado com um Seminário Regional com a presença de todos os membros dos dois GRTs organizado sob a forma de DD3P onde se buscou desdobrar os triângulos Valores-Saberes-Atividades, com vistas a explicitar “pontos de vistas” dos “sujeitos” supervisores sobre os saberes e temporalidades presentes na atividade de supervisão do e no Serviço Social. Experiência que revelou importantes dimensões do trabalho das e nas duas modalidades de supervisão, a de campo e a acadêmica.

DIMENSÃO COLETIVA E PRODUÇÃO DE SABER

A terceira e última experiência, destaca o uso da tecnologia de análise do trabalho, o DD3P, como uma potente ferramenta para compreender a dimensão coletiva do trabalho em Hospital de Ensino na área de Cirurgia, ancorada na pesquisa Problemas e desafios no trabalho contemporâneo de profissionais de Saúde em hospitais universitários: Brasil, França e Argélia, UnB, CNPq, utilizou-se os conceitos da abordagem ergológica na construção do projeto, as categorias analíticas da ergologia, trabalho real, trabalho prescrito, dramáticas de uso de si, entidade coletiva relativamente pertinente; renormalização e ressingularização da norma antecedente prescrita, temporalidade ergológica, vital, burocrática e mercantil e os seis ingredientes da competência humana industriosa (SCHWARTZ, 2000) tem sido indispensáveis na escuta, na observação e na análise dos depoimentos. Destaque-se que a realização de um DD3P com o coletivo de profissionais da Enfermaria de Cirurgia explicitou a convergência de pontos de vista sobre as interfaces do trabalho coletivo, nos processos cotidianos, sobre as variabilidades do efetivo de trabalhadores, a escassez de espaços coletivos para a vivência coletiva dos trabalhadores, as dificuldades de comunicação que muitas vezes marcam esse novo meio, o hospital de ensino.  Abordaram no espaço das entrevistas a relação singular com a norma, o trabalho e seus valores e tensões, as normas e os desafios desse ECRP, marcados por coletivos variáveis no tempo e no espaço. Prevaleceu nas entrevistas um diálogo mais centrado no si e nas dramáticas de uso de si, para gerir o trabalho, a vida e a família.

Ao dizerem de si, tanto nas entrevistas, quanto nos DD3P, disseram também dos outros, dos pacientes e das famílias dos usuários, nas normas em processo de constituição, dos efeitos da duração do trabalho e do imediato, do aqui e agora da atividade, o Kairós (Trédé, 1992). Mas aos pacientes dedicaram palavras de carinho e de preocupação, pois segundo vários deles, nem sempre se pode fazer por eles o que eles demandam ou precisam, pois prevalece no cotidiano uma corrida intensa para cumprir as múltiplas, intensas e, por vezes, extenuantes demandas de cuidado, gestão e de registro do fazer.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A organização destas experiências visou revelar como esses dispositivos podem contribuir para fazer emergir as dimensões individuais, coletivas, os conhecimentos epistêmicos, os disciplinares e os ergológicos ao mesmo tempo que criam espaços para a apreender e compreender como a subjetividade, a inventividade e a criatividade nos permitem acreditar que a história do homem no trabalho pode reservar surpresas e esperanças.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Canguilhem, G. Milieu et normes de l’Homme au travail. In: Cahiers Internacionaux de Sociologie, Éditions Du Seuil, Vol III, Cahier Double, Deuxième Année, 1947. p. 120-137

CANGUILHEM, G. Escritos sobre a Medicina. Rio de Janeiro: Forence   Universitária, 2005.

Duraffourg, J. Um robô, o trabalho e os queijos: algumas reflexões sobre o ponto de vista do trabalho. In: Dieese (org.). Emprego e Desenvolvimento Tecnológico: Brasil contexto internacional. São Paulo: CNPq, FAT, SEFOR/Mtb, 1998. p. 123-144.

DURRIVE, L. Accompagner et former en situation de travail: une approche ergologique.  Éducation Permanente. n. 139, 1999.2, p. 199−218.

Guérin, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da Ergonomia, São Paulo: EDGAR Blücher, 2001.

JEAN, R. L’Agir ergologique. In: DURAFFOURG, J.; VUILLON, B. Alain Wisner et les taches du present. Toulouse: Octares, 2004, p. 113-117.

GOULART JOAZEIRO, E.M. Supervisão de Estágio Acadêmica e de Campo no Serviço Social: interpenetração e [in]dissociabilidade de saberes e de temporalidades da e na formação. Relatório Final (Pós-Doutorado em Serviço Social) Programa de Estudos Pós Graduados em Serviço Social) Faculdade de Serviço Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

GOULART JOAZEIRO, E.M. Social Work and professional training: tension among racionalities, temporalities and relationships “between knowledge”. In. SILVA, A.M. C.; APARICIO, M.T. International Handbook of Professional Identities. USA: SAP. 2015.

ODDONE, I. et al. Rédecouvrir l’expérience ouvrière: vers une autre psychologie du travail. Paris: Messidor/editions Sociales, 1981.

ORBAN, E., Service Public! Individu, marché et intérêt public. Paris: Syllepse, 2004.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Revista Saúde Pública 2001;35(1):103-9 103 . Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n1/4144.pdf

PIRES, D. A enfermagem enquanto disciplina profissão e trabalho. Rev. bras. enferm.[online]. 2009, vol.62, n.5 [cited  2013-08-14], pp. 739-744 . Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672009000500015

SCHERER, M.D. dos A. et al. Problemas e desafios no trabalho contemporâneo de profissionais em hospitais de ensino: Estudo comparado Brasil, França e Argélia. Estudo Multicêntrico. Brasília, DF : maio, 2013.

Schwartz, Y., Du concept de «travail». In: Expérience et connaissance du travail, Paris: Éditions Sociales, 1988. p. 523− 75.

Schwartz, Y. Note de synthèse sur la table ronde: l’expertise socio-humanintaire. In: DORAY, B.; RENNES, J. M. Carrefours Sciences Sociales et Psychanalyse: le moment moscovite. Paris: L’Harmattan, 1995. p. 437−442.

Schwartz, Y. Ergonomie, philosophie et exterritorialité. In : DANIELLOU, F. (Dir.) L’Ergonomie en quête de ses principes: débats épistémologiques, Toulouse: Octares, 1996, p. 141-182.

SCHWARTZ, Y. Introduction: Travail et Ergologie. In: (Org). Reconnaissances du travail: pour une approche ergologique. Paris: PUF, 1997. p. 1−37.

SCHWARTZ, Y. les ingrédients de la competence: un exercice nécessaire pour une quéstion insolubre. In: Schwartz, Y. Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe. Toulouse: Octares, 2000, p. 479-504.

SCHWARTZ, Y. Discipline épistemique, Discipline ergologique. Paideia et politei, In: Maggi, B. Manières de penser, manières d’agir em éducation et formation. Paris: PUF, 2000.

SCHWARTZ, Y. Un Dispositif Dynamique à trois póles. In : Schwartz, Y. Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe. Toulouse: Octares, 2000. p. 86−105.

Schwartz, Y. Concordance des temps? Le travail, le  marché, le politique. In: Schwartz, Y. Le Paradigme ergologique ou un  métier de Philosophe. Toulouse: Octares. 2000. p. 505−16.

SCHWARTZ, Y.  Transmissão e Ensino: do mecânico ao pedagógico. ProPosições, v. 16, n. 3 (48), p. 229−44, set./dez. 2005.

SCHWARTZ, Y. Du «détour théorique» à l’ «activité» comme puissance de convocation des savoirs. Éducation Permanente. n. 170/2007.1, p. 13−24.

SCHWARTZ, Y. Actividade. Laboreal.  V. 1, n. 1, 2005, pp.63-4. Disponível em: http://laboreal.up.pt/revista/artigo.php?id=48u56oTV658223469:53635622

SCHWARTZ, Y. Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Trabalho, Educação e Saúde. 2011, vol.9, suppl.1. 2011, pp. 19-45. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tes/v9s1/02.pdf

SCHWARTZ, Y., DURRIVE, L. L’Activité en Dialogues: entretiens sur l’activté humanine (II) Toulouse: Octares, 2009.

SCHWARTZ, Y; FAÏTA, D. L’Homme Producteur: autour des mutaions du travail et des savoirs. Paris: Messidor/Editions Sociales. 1985.

TREDE, M. Introduction. In : Kairós  l’à-propos el l’occassion : (le mot et la notion, d’Homère à la fin du IVe Siècle  avant J.C. Paris: Éditions Klincksieck: 1992, p. 15-21 (Études et Comentaires, 103)

TRINQUET, P. Maîtriser les risques du travail. Paris: PUF, 1996

Wisner, A. Réflexions sur l’Ergonomie (1962-1995), Toulouse: Octares, 1995, 160 p.